domingo, 15 de novembro de 2009

#46 Vasco Graça Moura

quizás, quizás, quizás


quando se está com gripe e nos dói toda a cara
o mal-estar só passa imaginando
que mozart uma vez encontrou nat king cole
e pôs-se a acompanhar quizás, quizás, quizás


a voz de um era rouca na curva do bolero
e o piano gemendo em graves da mão esquerda
dava a sua resposta asiempre que me preguntas
e triste era o refrão, quizás, quizás, quizás.


na música e na vida, algum desesperado,
mesmo sem estar com gripe ia perdendo o tempo,
sombrio, alccolizado, pelas melancolias
da voz e do piano, quizás, quizás, quizás.

nat king cole e mozart, depois de improvisarem,
fumaram um cigarro e foram-se trocando
trauteios, estranhezas, de blues e de sonatas,
mas tudo fragmentário, quizás, quizás, quizás.


se algum saxofone pegasse nesse tema,
juntando variações azuis e lancinantes,
podíamos ouvir um köchel qualquer coisa
be bop e dissonante, quizás, quizás, quizás.


e voltaria a voz em ritmos sacudidos,
no bar, na discoteca, nas sombras, nas entranhas.
nat king cole a cantar, mozart a acompanhá-lo,
ah, turvos corações, quizás, quizás, quizás.

2 comentários:

Austeriana disse...

Brilhante. Não conhecia a escrita humorística de VGM!

RAA disse...

Há, por vezes, na sua poesia um tom irónico que aprecio.